O despertador toca, ela acorda,

Está na hora de mergulhar na imensidão de mais um dia!

Desde que coloca os pés no chão

Até ao momento em que diz “por hoje chega”,

Ocorre uma imensidão de sentimentos, sensações e emoções,

Tarefas, labores, responsabilidades, satisfações e preocupações.

Pensa no almoço e no jantar,

Na roupa e louça que é preciso lavar, enxugar e passar.

Vai levar o filho à escola,

E aproveita para conversar, partilhar e motivar.

Mergulha depois na imensidão da vida profissional,

Olha para a agenda e verifica que vai ser um dia colossal.

Passam segundos, minutos e horas,

E quase sem se dar conta, mais um dia está a chegar ao fim!

É mãe, esposa, filha, irmã e amiga,

Dá atenção a todos mesmo que tenha de ignorar a sua fadiga.

Regressa a casa e ao seu seio familiar,

Recebe sorrisos e beijos de boas-vindas.

Aproveita para parar, pensar e respirar,

E dá-se conta …. que está tudo ali,

Tudo se resume ao seu lar,

Ao seu núcleo familiar.

Sente, apaixona-se e emociona-se,

Ama, ora, chora e sorri.

Os momentos de turbulência, agitação e desassossego

Resultantes da sua atitude determinada,

Não passam de uma IMENSIDÃO DE NADA!

MD

Poema Publicado em: Entre o Sono e o Sonho – Antologia de Poesia Portuguesa Contemporânea (Dez 2020)

Partilhar isto:

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *