Hoje é um dia especial, já nasceu a Teresinha!
O que sentem uma mãe e um pai durante os 9 meses de gravidez?
Qual a influência de uma pandemia num dos momentos mais importantes da vida de um casal?
O texto que se segue é escrito na 1ª pessoa, não percam!


Sonhar, idealizar, projetar e de repente uma pandemia!
Estamos sempre à espera do momento certo, mas parece que nunca chega. Decidir engravidar é, para muitos de nós, nos dias de hoje, um ato de irreverência, de coragem. Mas quando a coragem vem numa altura de pandemia? Falamos com os médicos em quem confiamos, acreditamos os dois que vai dar certo e embarcamos naquela que será a maior aventura das nossas vidas.
Tudo é novidade, do sono intenso do primeiro trimestre, aos primeiros movimentos do bebé no segundo trimestre, às verdadeiras movimentações acrobáticas do final da gravidez. Apesar de serem experiências vividas com mais intensidade pela mãe, partilhá-las com o pai é criar um laço único entre os três, desde os primeiros tempos de vida. É permitir o nascimento de um amor incondicional por um ser que não conhecemos, que não vemos e que simplesmente sentimos. Mas, é também partilhar dúvidas, ansiedade, angústia, curiosidade. São todas estas experiências que criam laços entre os três e que vão ser o pilar para ultrapassar as dificuldades dos primeiros tempos.
Durante uma pandemia todas estas vivências positivas ficam comprometidas, ouvir pela primeira vez o coração do bebé, não é um momento a dois, mas é possível torna-lo especial. Saber se esperamos um menino ou uma menina pode ser uma notícia dada em conjunto ao casal, basta conversar com o médico e ter imaginação. Esta experiência maravilhosa deve ser sempre partilhada e nada nos pode tirar esse direito, que muitas vezes está simplesmente à distância da criatividade.
Este caminho de nove meses, que parece longo, mas é tão curto, deve ser aproveitado ao máximo, dentro da maior tranquilidade, independentemente das circunstâncias pessoais ou mundiais que se estejam a viver. Aproveitem!
Nós estamos a chegar ao fim deste tempo que se conta em semanas, e eu vou sentir falta de quando as duas éramos uma, mas enche-me de felicidade saber que os dois seremos para sempre 3.

“Filhos, sonhos adorados,
Beijos que nascem de risos;
Sol que aguenta e dá luz
E se desfaz em sorrisos!”

Florbela Espanca

 
Texto de Micaela Almeida, a Mãe ❤

Partilhar isto:

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *